08.04.2013

 

Aí está o Moura BD 2013!

Está de regresso o Salão Internacional de Banda Desenhada de Moura, que terá a sua 18.ª edição entre   19   de Abril e 1 de Maio próximos.

Tal como na edição anterior, o salão decorrerá em simultâneo com a Feira do Livro e vai distribuir vários núcleos pela cidade. Desde logo o núcleo principal, em pleno centro da cidade, na Praça Sacadura Cabral, numa tenda gigante. Outros núcleos serão distribuidos pelo Espaço Inovinter e Cine-Teatro Caridade.

O leque de autores homenageados engloba os portugueses Vassalo de Miranda e Zé Manel e o francês Hugues Barthe, que receberão os já tradicionais Troféus Balanito.

Quanto a exposições, para além das individuais dedicadas a cada um destes três autores, temos, para já garantidas as seguintes: “Eça de Queiróz na BD” e “Centenário de Willy Vandersteen” (ambas comissariadas por Luiz Beira), “Saramago em Caricaturas” (com trabalhos de autores portugueses e espanhóis), e a apresentação dos melhores trabalhos do 16.º Concurso de Banda Desenhada e do 14.º Concurso Escolar de BD (cujos regulamentos já estão disponíveis neste site – ver secção “Concursos”).

Quanto a edições, mantém-se a aposta nos Cadernos Moura BD, com um número dedicado a Vassalo de Miranda. Também a exposição de Zé Manel terá direito a catálogo numa produção da Humorgrafe/Osvaldo de Sousa. 

Está, também, no ar a possibilidade de, durante o salão, as edições Polvo fazerem o lançamento de um álbum de Hugues Barthe, embora ainda não possamos confirmar esta notícia.

Mais informações serão aqui disponibilizadas nos próximos dias.

 

MOURA BD 2013 - AUTORES HOMENAGEADOS

VASSALO DE MIRANDA (ou A. VASSALO)

Balanito de Honra para Autor Português

Vassalo de Miranda, nasceu em Vila Franca de Xira a 21 de Novembro de 1941.

Ilustrador, pintor e banda desenhista, é mais conhecido pelos seus dois últimos apelidos, mas às vezes assina como A. Vassalo.

Tem trabalhos publicados em "Notícias" e "A Tribuna" (jornais moçambicanos), "Jornal do Exército", "O Retornado", "Mundo de Aventuras", "Almada-BD Fanzine", "Shock Fanzine", "Cadernos Sobreda-BD" e "Alentejo Popular".

Por diversas editoras, estão publicados (alguns esgotados) os seguintes álbuns: "Mamassumá, Comandos ao Ataque", "Operação Gata Brava", "Operação Trovão", "Bayete!", "O Sacrifício", "Do Índico ao Niassa", "A Epopeia da LDM 302", "Operação Mar Verde" e "A Fragata D. Fernando II e Glória". Na maioria destes álbuns, o autor trabalha uma temática curiosamente pouco explorada pelos autores nacionais: a Guerra Colonial.

 

 

HUGUES BARTHE

Balanito de Honra para Autor Estrangeiro

Hugues Barthe nasceu em Montbéliard (França) a 16 de julho de 1965.

Estudou na Escola de Banda Desenhada de Angoulême.

Colaborou com cartunes para a revista Hercules, onde criou a personagem Le Petit Lulu.

Em 2000, publica a sua primeira banda desenhada: “Jean François Fait de la Résistence”. Seguem-se vários álbuns sobre o tema da homossexualidade, nas editoras Les Requins Marteaux e Hachette LIttératures.

O seu último trabalho, “Verão 79” e “Outono 79” (um romance gráfico em dois volumes, o último dos quais tem anunciada o seu lançamento para os próximos dias), anuncia-se como o mais ambicioso do autor, onde ele mudou de tom e de tema, com uma autobiografia sobre seus pais e a violência doméstica de que foi vítima.

Hugues Barthe, um autor da nova vaga europeia cuja obra merece uma leitura bem atenta e (porque não?) uma oportunidade no mercado português.

 

 

ZÉ MANEL

Balanito Especial

Nasceu em Lisboa, a 22 de Janeiro de 1944, sendo filho do famoso cartoonista Meco.

Não é, pois, de estranhar a sua apetência para o desenho e a ilustração.

Apesar da influência paterna, o seu traço é absolutamente único, e imediatamente reconhecível. As elegantes e curvilíneas figuras femininas que desenha são a sua “imagem de marca”.

Publicou desenhos n’ O Século Ilustrado, Os Ridículos, Parada da Paródia, Jornal do Exército, O Brincalhão, Playboy, Fungagá da Bicharada, O País, Diário de Notícias, Pão com Manteiga, Record, etc… Em 1976 publicou o álbum In Politiquices.

Participou em inúmeros concursos de caricatura tendo ganho prémios na maioria deles, incluindo o de Moura.

Já fez milhares de “bonecos”. Como ele próprio diz, “tem sido um esbanjar de papel, de borrachas, de tinta e de energias, que bem poderiam ter sido aproveitadas em actividade mais rendosa!”.

Zé Manel um homem simples, como simples é o nome como é reconhecido artisticamente. Contudo, debaixo dessa simplicidade esconde-se um extraordinário cartunista.

 

 

 

 

Câmara Municipal de Moura - 2010